Seu navegador n„o suporta JavaScript. Algumas funÁűes deste site podem n„o funcionar.
Receba as atualiza√ß√Ķes do site por rss ou

O Papel do Terapeuta Sexual

A atividade sexual se faz presente desde a vida intra uterina e durante todo o desenvolvimento humano, sendo modelada a cada nova etapa da vida por elementos intrínsecos e extrínsicos à pessoa.

Influi fortemente em v√°rios setores da vida humana, constituindo-se desta maneira em importante par√Ęmetro de avalia√ß√£o da sa√ļde f√≠sica e mental.

A identifica√ß√£o do problema no casal que se prop√Ķe a fazer terapia sexual, al√©m de nos indicar se √© necess√°rio ou n√£o, tamb√©m nos fornece pistas quanto √† origem da quest√£o.

Como exemplo, observamos que certas disfun√ß√Ķes sexuais t√™m mais tend√™ncia a terem como origem, causas org√Ęnicas (dores ao coito e disfun√ß√Ķes er√©teis) , enquanto outras de serem mais de causas psicol√≥gicas(disfun√ß√Ķes de desejo,anorgasmia,vaginismo) .

Quando se trata de casais, só aplicamos a terapia sexual quando cada elemento do par deseja encontrar, além da adequação intrapessoal, a adequação interpessoal com aquele parceiro específico, pois às vezes,
o relacionamento j√° se desgastou tanto, que nem mesmo a terapia
conjugal é indicada.

A conduta sexual não é um fato isolado do leque de comportamento do indivíduo, mas algo que de alguma forma, envolve a comunicação intra e interpessoal, a elaboração cognitiva os componentes biológicos e a fisionomia emocional do cliente.

Problemas sexuais não são quadros padronizados, nem devem ser tratados de uma forma rotineira pois, mesmo uma técnica correta, deve ser feita no tempo certo para que funcione.

Portanto, a técnica é apenas um instrumento nas mãos do terapeuta, que deve manejá-la com honestidade e coerência.