Seu navegador no suporta JavaScript. Algumas funes deste site podem no funcionar.
Receba as atualizações do site por rss ou

Traição é o que mais causa medo em relacionamentos, diz pesquisa

Post_ExtraMulheres são de Vênus, homens são de Marte, mas, em uma coisa, muita gente concorda: quando o assunto é relacionamento sério, o que ambos os sexos mais temem é ser traído pelo parceiro. A constatação é de uma pesquisa realizada pelo site de encontros e namoro ParPerfeito, com 5.200 usuários brasileiros.

— Ser enganado é o maior medo que se tem em relação a quem se ama. Não é só questão de fidelidade, mas de lealdade — diz a psicóloga e terapeuta sexual Luciane Secco.

Então, por que as pessoas traem, se não gostariam de ser traídas? De acordo com a especialista, a resposta está relacionada à personalidade.

— Há pessoas que têm tendência à traição. Fazem isso por estilo de vida, em momentos de fragilidade, quando não se sentem mais amadas. Justificam com qualquer motivo. Mas quem tem uma ética maior com o outro ou consigo mesmo vai passar por situações semelhantes e não vai trair por escolha — diz. — O problema (da infidelidade) não é só o mal que acomete o parceiro. A traição mais cruel é contra a própria pessoa. Se ela segue numa relação na qual não está convicta de estar, está enganando a si mesma.

Para o terapeuta sexual Arnaldo Risman, o temor de ser traído só ocorre em quem já “pula a cerca” ou considera a possibilidade de ter um caso fora do relacionamento.

Sinais podem prever ‘pulada de cerca’

O ginecologista e sexólogo Amaury Mendes Júnior concorda com Risman. Para ele, “a pessoa tem medo de o parceiro fazer o que ela faz”. Em outros casos, o pavor da traição reflete ciúme excessivo.

— Não se pode confundir amor com posse. Quem vive com o ciumento precisa provar o que não fez, e ninguém aguenta isso. Quanto mais liberdade se dá ao outro, mas se abre a possibilidade de fortalecer a parceria — avalia o médico, salientando que é possível notar indícios de uma traição. — Quem cuida um do outro sabe (quando vai acontecer). Há quem fique (na relação) por ser conveniente, mas se existir vínculo amoroso verdadeiro, a separação é certa, porque a situação é insuportável.

Apesar de o comportamento infiel ter origem na personalidade, isso não significa que quem pulou a cerca uma vez nunca mais será confiável. Segundo Luciane Secco, em alguns casos, o traidor pode tirar um aprendizado do que fez, pelo medo de perder quem realmente ama, e se corrigir.