Seu navegador no suporta JavaScript. Algumas funes deste site podem no funcionar.
Receba as atualizações do site por rss ou

Sexo e Smartphone

Os smartphones estão mais presentes na vida das pessoas do que se imagina. De acordo com uma pesquisa do site de cupons de descontos Voucher Codes Pro, do Reino Unido, 62% das mulheres e 48% dos homens interrompem o sexo para verificar os aparelhos.

smartphone e o Sexo

smartphone e o Sexo


O levantamento contou com dados de 1,7 mil britânicos. Mais de 30% deles disseram que pararam a relação sexual para atender a um telefonema, enquanto pouco mais de 20% admitiram ler e responder a uma mensagem de texto ou e-mail.
Não é a primeira vez que se relaciona o uso de smartphones durante a diversão entre quatro paredes. No início deste mês, uma pesquisa realizada pela empresa Harris Interactive, dos Estados Unidos, descobriu que quase 20% dos adultos jovens que têm o aparelho já o usaram durante o sexo.

Dr Amaury Mendes, médico sexólogo avaliou várias mulheres com queixas sexuais tais como : dor durante a relação , dificuldade em atingir o orgasmo e desejo sexual hipoativo como o problema principal da crise conjugal e constatou nestas pacientes que o grau de interesse relacional sofria interferência além do desgaste emocional , também pelo uso de smartphones mesmo durante a pratica sexual.
Toques de alertas ou avisos de mensagem tiravam a concentração facilmente durante o coito.

O prazer de estar antenada com o grupo social desperta nestas mulheres uma sensação prazerosa de socialização como uma compensação pela troca da ausência de projetos na relação desgastada.

O orgasmo serviria apenas para estimular o ego do parceiro que muitas vezes não se esforça para ouvir e agradar.

O desejo e a lubrificação não são apenas decorrentes do toque físico , como também necessitam ser complementados pela demonstração e percepção entre o casal de um vínculo alegre e estimulante.

Já entre os homens , nos dias atuais em onde cama vira um palco para que papeis performáticos possam ser vividos, fotografar posições eróticas e enviar mensagens libidinais tem como resultante relações breves sem perspectivas de continuidade, onde o orgasmo feminino não encontra espaço.