Seu navegador no suporta JavaScript. Algumas funes deste site podem no funcionar.
Receba as atualizações do site por rss ou

2013 – O ano do Sexo no Cinema

Um artigo muito interessante , publicado pelo site UOL, comenta que vários filmes sobre sexo , chegarão ao cinema em 2013 ,abordando temas diversos como o sadomasoquismo, a indústria de filmes eróticos, o vício em pornografia e até as memórias de uma autointitulada ninfomaníaca.

Porém, como sexo é um assunto sempre delicado, ainda é cedo para saber se algum deles entrará na lista de filmes definitivos sobre o assunto – como estes seis antigos filmes selecionados .

“Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre Sexo (Mas Tinha Medo de Perguntar)”, de 1972: Dirigido e estrelado por Woody Allen, aborda com muito humor situações curiosas referentes ao sexo. Entre elas a busca de um cientista na criação de uma máquina de sexo, uma mulher que só tem orgasmo em locais perigosos e um psicólogo que se apaixona por uma ovelha.

“O Império dos Sentidos”, de 1976: Clássico do cineasta Nagisa Oshima, (morto este ano ) foi censurado em muitos países pelas fortes cenas de sexo e violência. Retrata o amor obsessivo entre um ex-prostituta e o chefe da propriedade onde trabalha como empregada.

“A Dama do Lotação”, de 1978: Baseado em um texto de Nelson Rodrigues, conta a história de Solange (Sônia Braga), uma mulher violentada pelo marido que começa a ter relações com desconhecidos que conhece usando o transporte público.

Calígula”, de 1979: Banido em alguns países até hoje, conta a ascensão e queda do imperador romano Gaius Caesar Germanicus, mais conhecido como Calígula. Escrito por Gore Vidal, tem Malcolm McDowell, Teresa Ann Savoy, Helen Mirren, Peter O’Toole e John Gielgud no elenco.

“Nove e Meia Semanas de Amor”, de 1986: Kim Basinger interpreta a funcionária de uma galeria de arte que se torna obcecada pelos jogos sexuais do personagem de Kim Rourke, que vão desde manter relações na chuva, com comida e strip-tease até brincadeiras com um quê sadomasoquista.

“Sexo, Mentiras e Videotape”, de 1989: Filme que deu fama a Steven Soderbergh, tem Andie MacDowell no papel de uma mulher frígida cujo marido (Peter Gallagher) tem um caso com sua irmã (Laura San Giacomo). A vida do casal muda com a chegada de um amigo dele (James Spader), que costuma filmar depoimentos de mulheres sobre sexo. http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/cinema/2013-03-03/o-cinema-e-o-sexo-em-seis-filmes.html

Para os internautas entrevistados pelo site iG , “O Império dos Sentidos” é o melhor filme sobre sexo da história do cinema . O longa foi disparado o mais votado na enquete promovida pelo portal através da plataforma Real Time, que registra em tempo real a opinião dos internautas. O filme de 1976 recebeu 4.555 votos, muito mais do que os 1.949 do segundo colocado, “Nove Semanas e Meia de Amor”, lançado uma década mais tarde. Em terceiro lugar ficou “Calígula”, com 1.487 votos.

Único longa nacional entre as opções, “A Dama do Lotação”, com Sônia Braga, ficou na quarta posição, com 804 votos. Em seguida vieram “Tudo o que Você Sempre Quis Saber Sobre Sexo (Mas Tinha Medo de Perguntar)”, de Woody Allen, com 176 votos, e “Sexo, Mentiras e Videotape”, de Steven Soderbergh, com 156.

A tendência sobre filmes de conteúdo erótico já foi observada no Festival de Sundance , realizado em janeiro, que exibiu uma série de filmes sobre sexualidade.

Sexo no Cinema

“As pessoas estão explorando os relacionamentos de formas que não vimos nas telas antes”, afirmou o diretor de programação do festival, Trevor Groth, ao jornal “Toronto Star”. “O volume (de produções sobre o tema) nunca foi tão grande.”

Sobre os principais filmes que virão em 2013, os principais são :

“Kink”: Documentário produzido pelo ator James Franco e dirigido por Christina Voros sobre o site Kink.com, um dos principais produtores de conteúdo sadomasoquista na internet. Em entrevista ao apresentador Conan O’Brien, Franco contou que a idéia de fazer um documentário sobre fetiche surgiu após um decepcionante vídeo erótico feito por ele mesmo

“Peguei uma câmera e a minha namorada e decidi filmar. Assistimos e depois dissemos: ‘É, não vamos ver isso nunca mais'”, afirmou. “Essas pessoas na indústria pornográfica são grandes atores. Eles não estão apenas transando, estão vendendo isso para o público.” O filme passou em Sundance e não tem previsão de estreia no Brasil

“Interior. Leather Bar”: Parceiros de direção, James Franco e Travis Mathews imaginam e recriam os 40 minutos cortados de “Parceiros da Noite”, filme de 1980 no qual Al Pacino se infiltra na cena homossexual para capturar um criminoso. O corte foi feito pelo diretor William Friedkin para diminuir a censura do filme. Na versão de Franco, o personagem é interpretado por Val Lauren e a história serve como ponto de

partida para uma discussão sobre liberdade criativa e sexual. Exibido em Sundance, não tem previsão de estreia no Brasil.

“Lovelace”: James Franco ataca novamente nesta cinebiografia de Linda Lovelace (interpretada por Amanda Seyfried), ícone dos filmes pornográficos e protagonista de “Garganta Profunda”, um clássico do gênero. Franco interpreta Hugh Hefner, fundador da revista “Playboy”, enquanto Peter Sarsgaard é o produtor Chuck Taylor, que forçou a mulher a virar atriz pornô numa relação marcada por abusos. Exibido em Sundance, estreia em 6 de dezembro no Brasil.

“Don John’s Addiction”: Famoso pelo filme “500 Dias com Ela” e pela série “30 Rock From The Sun”, Joseph Gordon-Levitt faz sua estreia como roteirista e diretor. Ele também é o protagonista, um homem viciado em pornografia que busca uma vida amorosa e sexual mais satisfatória. No elenco também estão Scarlett Johansson, Julianne Moore, Tony Danza, Channing Tatum e Anne Hathaway. Exibido em Sundance, estreia em 26 de julho no Brasil.

“Amor sem Pecado”: Exibido em Sundance, foi descrito na programação do festival como “uma história sobre amor, luxúria e o poder da amizade”. Naomi Watts e Robin Wright interpretam amigas de infância que se apaixonam pelos filhos uma da outra. Dirigido por Anne Fontaine, contém várias cenas de sexo. A estreia no Brasil está prevista para 7 de junho.

“Nynmphomaniac”: Novo filme de Lars Von Trier, promete ser tão polêmico quanto os anteriores. Na terceira parceria consecutiva com o diretor (depois de “Anticristo” e “Melancolia”), Charlotte Gainsbourg é uma mulher de 50 anos que se considera ninfomaníaca e relembra episódios de sua vida erótica em conversas com um homem mais velho (Stellan Skargard). A idéia é lançar duas versões: uma sem cortes e outra mais leve. Não há previsão de estreia no Brasil.

“Very Good Girls”: Dakota Fanning e Elizabeth Olsen interpretam jovens amigas que fazem um pacto para perder a virgindade durante o verão. As duas, porém, se apaixonam pelo mesmo garoto, vivido por Boyd Holbrook. Exibido em Sundance, não tem data para chegar ao Brasil.

“The Look of Love”: Dirigido por Michael Winterbottom, conta a história real de Paul Raymond (Steve Coogan), dono do primeiro clube de striptease da região do Soho, em Londres, que se tornou um milionário. Exibido em Sundance, não tem data para chegar ao Brasil.

Sobre filmes eróticos o Dr Amaury diz que ¨ O modismo sem inovação ou adequação , acaba criando um contexto errado sobre a sexualidade que, termina na pornografia repetitiva . É preciso ter maturidade e equilíbrio para realizar uma película que aborde um sexo isento de doutrinas sócio culturais machistas , ou que passem a impressão da liberdade emocional somente ser obtida através de um sexo ensandecido e desprovido de trocas.

É preciso respeitar a todos os credos sexuais desde que entre os pares , seja compactuado amor e desejo.

A pratica erótica pode ser parecida entre algumas pessoas , mas no que se refere a sentimentos , não existem coincidências, pois cada pessoa tem sua própria historia de vida Cada indivíduo tem sua lógica ( independente do que pensa ou pratica a grande massa ) O que, para alguns pode ser entendido como natural e apetitoso, para outros alem de inimaginável pode causar asco

O Dr Amaury Mendes finaliza dizendo que : Sexo a principio, deve ser entendido não somente pela sua pratica pura e genitalizada , mas também como cada pessoa encara sua própria atitude.