Seu navegador no suporta JavaScript. Algumas funes deste site podem no funcionar.
Receba as atualizações do site por rss ou

A Mulher contra a Violência

Desde que o mundo é mundo, o homem demonstra seu poder através da violência.

Lutando por qualquer motivo, a milênios o gênero masculino de qualquer camada social sente-se motivado em seu interior a participar de guerras ou mesmo de atos menores e banais como por exemplo, sair no tapa com o oponente de um time contrario ao seu.

A violência é inerente e esta ligada ao sexo masculino. Se nós tomarmos o percentual da massa carcerária feminina, (revista da folha, 1998) vamos encontrar 3% de universo feminino, sendo que 60% destas mulheres estão presas por trafico de drogas (geralmente levadas pêlos seus companheiros), 30% estão cumprindo pena por crimes de assassinato (quase todos por vingança de terem sido traídas pêlos companheiros , maltratadas ou espancadas ) e 10%por furto, o que vem de encontro a alma feminina ou seja , procedimentos escondidos, próprios da educação a que toda mulher de maneira geral é submetida e se acostuma pela vida afora.

Desde pequena é a mulher de maneira em geral acostumada e educada a não se expor muito. Normas determinam o seu comportamento sempre no sentido do proibido, ela deve aprender a não sentar como um homem, deve evitar de entrar em determinados ambientes ,e antes de sair de casa , deve sempre esvaziar a bexiga, para não passar por situação constrangedora.

Ela é criada para servir e agradar, devera procurar um marido, espelhada na imagem do pai e dar–lhe filhos saudáveis. Esta opressão milenar sobre o sexo feminino, impediu o nivelamento de direitos iguais aos dois sexos.

Embora o quadro venha aos poucos se modificando com a ingressão cada vez maior da mulher no mercado de trabalho , exercendo cargos importantes , e sendo por vezes responsável pelo sustento da família , estatísticas demonstram que uma em cada 3 mulheres já foi espancada coagida ao sexo ou sofreu alguma outra forma de abuso durante a vida .O agressor é, geralmente um membro de sua própria família.

Cada vez mais, a violência de gênero é vista como um serio problema a saúde pública, além de constituir violação dos direitos humanos .
A violência tem resultados devastadores para a saúde reprodutiva da mulher, além de afetar seu bem estar físico e mental.

Além das lesões físicas, a violência aumenta o risco em longo prazo, de que a mulher tenha outros problemas de saúde , incluindo dores crônicas, incapacidade física, abuso de drogas e álcool, e depressão.

As mulheres com histórico de agressão física ou sexual também correm maior risco de ter uma gravidez indesejada, de contrair uma infecção sexualmente transmitida e de sofrer um resultado adverso em sua gravidez.
Muitas culturas mantêm crenças, normas e instituições sociais que legitimam e, portanto , perpetuam a violência contra a mulher.

A agressão domestica, é quase sempre acompanhada da agressão psicológica e de sexo forçado.
Esse tipo de violência ocorre em todos os países e transcende aos grupos sociais , econômicos , religiosos e culturais.

Pesquisa realizada no Canada em 1993 sobre violência conjugal mostrou que um terço das mulheres que tinham sido agredidas fisicamente pelos parceiros declararam ter sentido ameaça de morte durante algum momento de seu relacionamento.

Freqüentemente as mulheres dizem ser o abuso físico mais fácil de agüentar que a humilhação e o abuso psicológico.
Estudos feitos em países tão diferentes como Camboja, Índia, México, Tanzânia e Nova Guiné, constataram que o marido tem o direito de corrigir a esposa que cometeu uma transgressão.

As justificativas derivam de normas sociais que dão aos homens toda a liberdade desde que eles se responsabilizem financeiramente pelo sustento de suas famílias. O que se espera das mulheres é que cuidem da casa e das crianças e demonstrem sua obediência e respeito aos maridos.

Se o homem achar que a sua mulher falhou de certa forma no cumprimento do seu papel, ele pode reagir violentamente.
Estudos feitos no mundo inteiro permitem identificar uma lista de eventos que provocam a violência, entre eles, não obedecer ao marido, responder ao marido, não ter a comida pronta na hora certa, não cuidar adequadamente dos filhos ou da casa, questionar o marido sobre dinheiro ou possíveis namoradas, ir a qualquer lugar sem a sua permissão, recusa a manter relação sexual ou suspeitar da infidelidade do marido.

Todos estes eventos constituem transgressão das normas que regem o relacionamento entre os sexos.
No Egito a grande maioria das mulheres, acha que os maridos têm o direito de espancar as esposas sob certas circunstâncias, sendo a principal causa a recusa ao sexo.

A reação da mulher a agressão é freqüentemente limitada pelas opções a sua disposição. Algumas resistem outras fogem, mas a maioria rende-se as exigências do marido como meio de sobrevivência no casamento, medo de perder o suporte financeiro, preocupação com os filhos, dependência emocional e a eterna esperança de que ele vai mudar um dia.

Grande parte das mulheres agredidas não dá queixa pela vergonha, porem verifica-se em estudos ser de cinco anos o tempo médio para uma mulher abandonar um relacionamento violento, pois geralmente o nível de violência aumenta afetando os próprios filhos do casal.

Mulheres que sofreram algum tipo de violência sexual tem maiores probabilidades de apresentar dificuldades em atingir o orgasmo , falta de desejo sexual e maior risco de apresentarem distúrbios ginecológicos. Traumas do passado podem levar à dor pélvica crônica por meios de lesão não identificadas, devido ao estresse ou ainda ao aumento a suscetibilidade da mulher à somatização, ou seja , a expressão de angustia psicológica por sintomas físicos.

Ninguém melhor do que um médico preparado será melhor para receber e tratar uma mulher vitima de maus tratos. Geralmente, a mulher sai do pediatra para o ginecologista, o qual se torna um conselheiro com o tempo, este vinculo mutuo de respeito, garante o elo da integridade e confiança depositadas.

Deixe seu comentário